Queda dos juros em 2018 vai produzir cenário inaudito para bancos no Brasil


DO PODER 360

Taxa de juro real será de 2,6% ao ano

Setor pode precisar de um ‘novo Proer’

Depois de décadas de vida fácil com juros na estratosfera, os bancos brasileiros se preparam para um período duro. A taxa real de 2018 será de 2,6% ao ano (previsão da IFI). É um percentual ainda alto para padrões internacionais, mas baixíssimo para os níveis históricos brasileiros.

As instituições financeiras vão enfrentar 1 cenário inaudito. Passaram anos emprestando dinheiro ao governo e esperando com tranquilidade os lucros aparecerem ao final de cada período. Agora, esse modelo imbatível e inexistente no restante do planeta pode estar chegando ao final. E apareceu então o temor de que a indústria bancária pode não estar tão sólida como parece.

A Moody’s puxou a fila na 2ª feira (9.out.2017) ao rebaixar de “estável” para “negativa” a perspectiva do sistema bancário brasileiro. Outros rebaixamentos virão.

Não é novidade que está em debate há anos uma fórmula para criar 1 plano de contingência no caso de grandes instituições financeiras colapsarem. Haverá, em caso de emergência extrema, necessidade de dinheiro do Tesouro Nacional –algo hoje impossível sem alteração das normas legais.

O BC é transparente e divulga tudo isso na sua página “BC+”. Mas é coisa para 2018 –ano em que ficará cada vez mais evidente que o axioma “a economia se descolou da política” é apenas 1 sofisma.

O presidente do Banco Central tem interesse em modernizar e tornar o sistema ainda mais sólido. Depende apenas de “momentum” político para levar as ideias adiante. Não é fácil.

TEMER SOBRE PROER: “É MENTIRA”
Eis 1 exemplo de como esse tema é sensível e o governo não quer nem pensar em tratar disso agora. Na 2ª feira (9.out) o jornal Valor Econômico publicou reportagem dizendo que estava em gestação 1 projeto de lei que criaria uma espécie de novo Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional.

Numa conversa com congressistas no meio da tarde, o presidente Michel Temer foi interpelado pelo deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT), em tom crítico. Deu-se o seguinte diálogo, relatado ao Poder360 pelos presentes:

Bezerra – presidente, acho 1 absurdo o governo querer fazer Proer para os bancos…

Temer – olhe, não sei de onde tiraram a informação.

Bezerra – mas acho que é uma informação verdadeira…

Temer – posso dizer que não é essa a intenção nem partiu de mim nenhuma determinação a respeito.

Bezerra – mas, presidente, está hoje [ontem] no Valor Econômico.

Temer – eu sei, Bezerra. Está lá. Eu li. Mas só duas fontes me informaram disso: o Valor e você. Olha [num tom de voz 1 pouco mais alto], é simples… Você diga na tribuna que falou comigo e eu disse que é mentira.

MENTIRA, NÃO É
O fato é que existem discussões sobre usar dinheiro dos pagadores de impostos para salvar bancos e evitar risco sistêmico. Mas tudo deve ser por meio de projeto de lei.

Vai demorar. O processo só vai acelerar quando as instituições financeiras estiverem bem mais apertadas, a partir de 2018.

Useful links