“Golpe militar” na campanha de Bolsonaro


A facada sofrida pelo candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) pode ter novos desdobramentos inesperados. É que o candidato a vice em sua chapa, o general reformado Hamilton Mourão, e seu partido (PRTB), entraram com pedido para Mourão assuma a cabeça da chapa.

A decisão foi tomada em reunião do PRTB, sem consulta a Bolsonaro, seu partido ou mesmo à família do candidato.

O PRTB foi fundado e é dirigido por Levy Fidelix. Ele foi candidato a presidente em 2010 e 2014. Ficou famoso por declarações polêmicas contra homossexuais e propostas mirabolantes, como o "aerotrem".

A justificativa de substituição feito ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é a impossibilidade de Bolsonaro fazer campanha. Ele deve ficar pelo menos 40 dias hospitalizado e ainda terá que passar por uma grande cirurgia no abdômen.

Mas já há quem aponte o desejo do general em antecipar um "golpe militar" e assumir de vez o posto candidato a presidente.

Pensando bem, combina com o candidato que defende a ditadura militar.

AUTOR:

ESMAEL MORAIS
Jornalista e blogueiro paranaense, Esmael Morais é responsável pelo Blog do Esmael, um dos sites políticos mais acessados do seu estado

Useful links