Negócios de mídia: 2018 foi o ano de fechamento de jornais e revistas


6 negócios de mídia brasileiros fecharam

Migração para meio digital prevalece

Postos de trabalho fechados: 7.817

O ano de 2018 não foi muito positivo para os veículos de comunicação no Brasil. Com receitas caindo, muitas empresas se viram obrigadas a alterar seu funcionamento –ou pondo fim na circulação impressa, ou, literalmente, fechando os jornais.

POR HANNA YAHYA NO PODER 360

Um levantamento feito pelo Poder360, com informações do VoltLab e Meio&Mensagem, constatou que, neste ano, 3 jornais foram fechados: Diário de São Paulo, A Cidade e Gazeta de Alagoas.

Além disso, 28 revistas foram encerradas, principalmente pelo caso do Grupo Abril, que pediu recuperação judicial neste ano.

Segundo o site “A Conta dos Passaralhos”, do VoltLab, até agosto, 290 jornalistas haviam sido demitidos em 2018. Nos últimos 6 anos, 7.817 demissões afetaram profissionais da área de mídia. 45% foram funcionários de jornais impressos e 22% de revistas. 9,1% eram do meio online.

A justificativa da busca de 1 melhor equilíbrio nas finanças das empresas de mídia tem sido quase unânime nessa onda de fechamento dos impressos.

O ano de 2018 começou negativo para os veículos brasileiros de comunicação. O lendário Diário de S. Paulo teve falência decretada pela Justiça em 22 de janeiro. O dia seguinte marcou a última vez em que a publicação foi vendida nas bancas, assim como a alimentação de sua versão online. Mais de 70 funcionários foram prejudicados, incluindo diversos jornalistas.

A versão brasileira da revista Rolling Stone parou de circular a versão impressa em maio de 2018. A editora Spring, responsável pelo título no Brasil, creditou o fechamento pela situação econômica da empresa. A circulação da revista foi interrompida em fevereiro, quando registrou queda de 5,5% nos últimos 12 meses em atividade, com 9.560 exemplares. Estava nas bancas desde 2006.

A Editora Escala, então proprietária de marcas como Tititi, Minha Novela e TV Brasil, encerrou a produção de 15 títulos em agosto deste ano. Algumas revistas se fundiram, mas outras foram realmente descontinuadas. Em comunicado, a editora afirma que o jornalismo impresso passa pelo “momento mais crítico, devido à desestruturação logística e financeira do atual processo de distribuição”.

O jornal A Cidade, de Ribeirão Preto (SP), deixou de circular a versão impressa em outubro deste ano. Existia há 114 anos, sendo 1 dos veículos mais antigos da cidade do interior de SP. Agora focará sua produção para o meio online. Atua em Campinas, São Carlos e Araraquara, todas regiões de São Paulo. Pertencente à EPTV, afiliada da Globo, demitiu uma grande porcentagem de seu pessoal à época.

O jornal Gazeta de Alagoas, 84 anos, divulgou no início de novembro o fim da circulação diária de sua versão impressa. Com a decisão, a publicação será difundida semanalmente e a produção será focada para o meio online. Principal diário do Estado de Alagoas.

A Fundação Cásper Líbero decidiu, em novembro deste ano, cancelar os quadros de notícia da TV Gazeta e, com isso, demitiu mais de 70 funcionários da área do jornalismo. Em nota, a empresa explicou que a decisão fora tomada com o intuito de “equalizar as despesas à realidade das receitas do momento”. Apenas o programa de notícias das 19h foi mantido. Todos os demais, como a edição das 10, foram tirados da programação.

O final de 2018 foi decisivo para o maior investimento nos meios digitais. Em dezembro, a editora Caras divulgou o fim da impressão da revista Contigo, justificando que irá concentrar esforços na plataforma online da empresa. Só este ano, a empresa abriu mão de 6 nomes: encerrou a versão impressa da Contigo, em dezembro; encerrou as atividades da Recreio, em setembro e outras 4 revistas foram vendidas à Editora Escala.

GRUPO ABRIL
Um dos maiores conglomerados de comunicação do Brasil, o grupo Abril pediu recuperação judicial em 15 de agosto deste ano. O futuro, até então incerto da empresa, foi decidido em 20 de dezembro, sendo 100% vendida ao empresário Fábio Carvalho pelo valor simbólico de R$ 100 mil.

À época da maior crise enfrentada pela Abril, 12 revistas da marca foram fechadas –como Guia do Estudante, Boa Forma, Elle, Casa Claudia e Cosmopolitan. A dívida chega a R$ 1,6 bilhão.

Mais de 800 funcionários foram demitidos –171 deles, jornalistas. Vários outros problemas vieram acompanhados do processo de recuperação judicial –como o não pagamento de indenizações, o que fez com que alguns funcionários entrassem na justiça para exigir os direitos.

Agora, as revistas que ainda constam no portfólio do grupo Abril são: Veja, Super Interessante, Cláudia, Quatro Rodas, Exame, Saúde, Placar, Você RH e Você S/A.

CONTINUE LENDO AQUI:

https://www.poder360.com.br/midia/negocios-de-midia-2018-foi-o-ano-de-fechamento-de-jornais-e-revistas/

Links de Notícias