A relação conturbada do Facebook com a indústria de notícias


O Facebook fez 15 anos na última 2ª (4.fev.2019), e não seria errado descrever isso como uma fase de puberdade desconfortável. Seus membros cresceram inesperadamente rápido; ele anda desajeitadamente pelo corredor, cheio de vértices e cotovelos desengonçados. Suas relações com os outros às vezes parecem menos governadas pela razão e mais por sua adolescência. Ele começa a gritar com seu pai e fica mal-humorado quando é pego fazendo algo que não devia.

*por Joshua Benton

Como se tornou, ao lado do Google, o maior condutor de atenção humana na história, o Facebook impactou praticamente tudo de uma maneira ou outra nos últimos 15 anos. Mas poucos sentiram sua força mais do que a indústria de notícias, que tentou várias vezes combater o vento contrário, sem muito sucesso.

Então, com o Facebook celebrando seu aniversário, imaginei que seria útil relembrar as 10 datas mais importantes da história do Facebook para os editores de notícias (e para aqueles que os amam).

5 DE SETEMBRO DE 2006: FACEBOOK LANÇA SEU FEED DE NOTÍCIAS.
Poder ser difícil de lembrar, mas o fluxo de atualizações não fazia parte do Facebook no começo. Isso só chegou mais de 2 anos após o lançamento, com essa nota do gerente de produtos Ruchi Sanghvi:

O Feed de notícias destaca o que está acontecendo em seus círculos sociais no Facebook. Ele atualiza uma lista personalizada de notícias ao longo do dia, então você saberá quando Mark adicionar Britney Spears aos seus favoritos ou quando sua paquera estiver solteira novamente. Agora, sempre que você fizer login, receberá as manchetes mais recentes geradas pela atividade de seus amigos e grupos sociais.

(Essa história de “nós vamos ajudá-lo a stalkear aquela garota” é, felizmente, algo que você não vê nas mensagens do Facebook hoje em dia.)

Outro trecho do anúncio:

O feed de notícias e o mini-feed são uma maneira diferente de ver as notícias sobre seus amigos, mas eles não fornecem nenhuma informação que antes não era visível. Suas configurações de privacidade permanecem as mesmas – as pessoas que não podiam ver suas informações antes ainda não podem ver agora.

Sem dúvida este foi o 1° grande momento em que os usuários tiveram que encarar a realidade que, uma vez que adicionam informações a esse gigantesco banco de dados, eles desistem de pelo menos algum controle sobre o que acontece a seguir.

Passar de “eu pensei que isso era apenas para o pequeno grupo de pessoas que visitam o meu perfil” para “minha nossa, agora eu estou sendo cutucado por esse estranho em outra cidade, que sabe que estou solteiro novamente” foi, de certa forma, o cálculo de privacidade do Facebook. De fato, os usuários odiaram, mas Mark Zuckerberg respondeu da maneira mais condescendente possível: “Acalme-se. Respire. Nós ouvimos vocês”. E as pessoas seguiram em frente.

Para os editores que estavam prestando atenção na época –não foram muitos–, o Facebook mostrou que entendia o poder de remixar pequenos fragmentos de conteúdo dos usuários em uma experiência maior, algo que poderia eventualmente ser uma plataforma para compartilhamento de conteúdo. Ele também mostrou que “notícias” nem sempre quer dizer “notícias”.

9 DE ABRIL DE 2012: FACEBOOK COMPRA O INSTAGRAM POR US$ 1 BILHÃO.
Algum preço já pareceu tão ridiculamente alto na época –e tão ridiculamente baixo alguns anos depois? Pois é, todo o crédito vai para Zuckerberg. Ele viu a mudança para o compartilhamento visual chegando, viu uma plataforma que compreendia o celular e não teve medo de atacar.

Esta foi a primeira grande aquisição do Facebook, mas é claro que não foi a última, sendo o WhatsApp e o Oculus as mais proeminentes por vir. A compra do Instagram mostrou aos editores que, quando surge uma nova plataforma que parece interessante, o Facebook estará disposto a pagar para entrar na onda. Você ia estar lidando com Menlo Park – cidade sede do Facebook e do Google– de qualquer forma. (Ele também mostrou ao Facebook que os reguladores antitruste, que em outra época podem ter desconfiado desse tipo de expansão do poder de mercado, agora estavam desfrutando de uma bela soneca de uma década).

23 DE JUNHO DE 2014: FACEBOOK COLOCA O DEDO DA ESTRATÉGIA DE VÍDEOS.
O Facebook rejeita esse termo e sustentou que a crescente proeminência de vídeos no feed de notícias foi uma resposta orgânica ao desejo dos usuários. Mas esse foi o dia em que o Facebook anunciou que, se achar que você gosta de vídeo, ele vai lhe dar mais e mais. O amadurecimento dos vídeos de 30 segundos pode ser detectado até hoje. O ponto inicial foi aqui.

Demoraria pouco mais de 2 anos para que o Facebook reconhecesse que estava calculando mal o quanto as pessoas assistiam vídeos –exagerando o desejo dos usuários e o consumo de vídeos para editores e anunciantes.

12 DE MAIO DE 2015: FACEBOOK INTRODUZ ARTIGOS INSTANTÂNEOS.
Eu acho que esse dia poderia ser descrito como o ‘Pico do Facebook’ quando se trata da indústria editorial. (Não ‘O Pico do Facebook’ de fato, é claro –esse dia provavelmente ainda está por vir.) O Facebook Instant Articles foi ao mesmo tempo uma cutucada pouco sutil a respeito do quão terríveis muitos sites de notícias eram em telefones, uma expressão pura do poder de segmentação de anúncios do Facebook e o começo do fim da internet como a conhecemos.

Ao dizer que a indústria de notícias deve publicar suas histórias diretamente no Facebook –não apenas na internet–, o Instant Articles deu o pontapé inicial no processo da publicação distribuída: o Google AMP e o Apple News. (O Snapchat Discover havia sido lançado alguns meses antes). Com a realidade virtual e especialmente os comandos de voz, ainda vemos o fascínio e o risco de tal estratégia orientada pela plataforma. No final, a maioria dos editores decidiu que o Instant Articles não merecia o incômodo e voltaram para a internet.

3 DE DEZEMBRO DE 2015: FACEBOOK LIVE ESTREIA PARA USUÁRIOS ATIVOS.
Se o Facebook diz que você vai fazer 1 vídeo ao vivo, então, maldição!, você vai fazer 1 vídeo ao vivo. À medida em que os editores se ajustavam ao tamanho exorbitante do algoritmo do feed de notícias em suas estatísticas de tráfego, muitos estavam dispostos a fazer o que fosse necessário, transformando até mesmo os repórteres de jornais impressos menos carismáticos em cinegrafistas e repórteres de TV. O Facebook, 1 pouco assustado pelo Snapchat, sabia que precisava de uma maneira de capturar uma forma mais crua de expressão do que seus perfis cada vez mais polidos poderiam convocar, e eles pensaram que o Live era parte da resposta.

Para os editores, era uma fonte de dinheiro e de estratégia confusa, já que o Facebook pagava à indústria de notícias milhões de dólares em troca de cumprir uma cota de vídeos do Facebook Live a cada dia ou semana. Com a publicidade digital no lixo, muitos editores ficaram felizes em receber o dinheiro, como seria mais tarde com o Facebook Watch. Nenhuma das duas estratégias terminaram muito bem para eles.

9 DE MAIO DE 2016: GIZMODO ALEGA QUE O FACEBOOK REPRIME COM FREQUÊNCIA NOTÍCIAS CONSERVADORAS.
Ah, o caso Gizmodo… Você pode debater o quão legítima era a fonte da história –eu já fiz isso– mas, de qualquer forma, o resultado foi 1 Facebook que sentiu que precisava sustentar seu flanco direito. Editores e ativistas conservadores reclamaram que o Facebook era parte de uma conspiração liberal para suprimir a verdade. A empresa realizou uma cúpula de emergência com Glenn Beck, Erick Erickson e outros e tentou convencer o Congresso do contrário. Isso mudou como os Trending Topics funcionavam. Transformou os trabalhos humanos em algoritmos. Eventualmente, matou os Trending Topics por completo.

Essa história foi o verdadeiro ponto de partida para 1 argumento conservador mais amplo, de que plataformas de tecnologia são inimigas. É como você acaba de frente com membros do Congresso reclamando que o Google bloqueou sua busca por “Jesus”; culpando o Facebook por uma queda no tráfego em 1 site de conspiração; e perguntando se Taylor Swift não havia sido vítima de discurso de ódio de 1 escritor GQ.

8 DE SETEMBRO DE 2016: FACEBOOK DECIDE QUE UMA FOTOGRAFIA VENCEDORA DO PULITZER É PORNOGRAFIA INFANTIL.
Este foi o momento em que muitas pessoas perceberam que, de alguma forma, quando não estavam olhando, o Facebook foi nomeado editor-chefe do discurso global.

A história de fundo: 1 autor norueguês postou em sua página no Facebook a famosa foto de Nick Ut de uma garota vietnamita, nua e em pânico, fugindo de napalm. Você conhece a imagem. Os moderadores de conteúdo do Facebook declararam pornografia infantil e proibiram o autor de postar novamente. O maior jornal da Noruega escreveu uma reportagem sobre o assunto, e foi retirado porque usou a foto. O Facebook até impediu o primeiro-ministro da Noruega de publicá-lo.

O Facebook mudou de ideia 1 dia depois. Mas o incidente da “napalm girl” evidenciou tanto o capricho quanto o domínio do Facebook para tomar as decisões finais. Alguns moderadores de conteúdo mal pagos nas Filipinas poderiam determinar se 1 jornal teria que compartilhar uma história ou não.

8 DE NOVEMBRO DE 2016: DONALD TRUMP É ELEITO PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS.
Para ser claro: não estou dizendo que o Facebook (ou as coisas que aconteceram em sua plataforma) mudou a eleição. O que estou dizendo é que a posição do Facebook no mundo virou ao avesso quando o resultado ficou claro.

O que quer que se pense de Trump, ele é 1 presidente muito incomum, e a busca pós-eleição por fatores que pudessem estar por trás desse resultado incomum colocou os holofotes diretamente no Facebook. Uma análise recente ilustrou como histórias negativas sobre o Facebook apareceram no New York Times bem na época da eleição. (Justificadamente, eu diria.) Somente as revelações da Cambridge Analytica, em 2018, combinariam isso como 1 fator de cobertura negativa.

Todas as conversas sobre “fake news”, “guerra de informação” e “bolhas de filtro” colocaram o Facebook na defensiva – em alguns casos injustamente, mas na maioria das vezes não. (O Projeto de Jornalismo do Facebook foi lançado pouco depois, sem nenhum acidente).

As percepções do Facebook mudaram de “lugar onde vovós postam memes” para “lugar que pode ter desempenhado papel significante na intervenção estrangeira na democracia americana”. Com isso, os editores começaram a se sentir 1 pouco melhor ao se afastarem dele como estratégia necessária de desenvolvimento de público-alvo.

21 DE MARÇO DE 2017: FACEBOOK COMEÇA A CLASSIFICAR HISTÓRIAS FALSAS COMO “DUVIDOSAS”.
Este foi o 1° esforço significativo do Facebook para salvar seus próprios usuários do compartilhamento de besteiras. Foi também 1 momento chave na parceria do Facebook com empresas de checagem de fatos como PolitiFact, AP e Snopes, sob a bandeira da International Fact-Checking Network.

Se duas organizações separadas com as quais o Facebook estava trabalhando tivessem declarado uma história falsa, o Facebook a classificaria como “duvidosa por vários verificadores de fatos independentes”.

Este sistema não funcionou muito bem e o Facebook se afastou dele em alguns meses. O que não mudou muito foi a terceirização por parte do Facebook desse tipo de trabalho para as organizações de notícias – que protege o Facebook de reivindicações tendenciosas, mas também coloca muito trabalho nas costas dos editores. (Na semana passada, 1 deles disse que já não aguentava mais).

11 DE JANEIRO DE 2018: FACEBOOK FALA QUE HÁ MUITAS NOTÍCIAS APARECENDO NA REDE SOCIAL.
Me desculpe –eu quis dizer que o Facebook quer “aproximar as pessoas” com 1 abraço registrado em fotografia.

O Facebook fez vários movimentos ao longo dos anos para diminuir a quantidade de conteúdo dos editores no feed de notícias. Mas foi o anúncio de janeiro de 2018 que fez parecer o movimento como 1 pedido de divórcio. Zuckerberg chegou ao ponto de afirmar que a culpa das pessoas se sentirem mal ao usar a o Facebook era dos editores.

A pesquisa mostra que quando usamos as mídias sociais para nos conectar com pessoas com as quais nos importamos, isso pode ser bom para o nosso bem-estar. Podemos nos sentir mais conectados e menos solitários, e isso se correlaciona com medidas de longo prazo de felicidade e saúde. Por outro lado, a leitura passiva de artigos ou a visualização de vídeos, mesmo que sejam divertidos ou informativos, pode não ser tão boa.

(“Artigos de leitura passiva” também é conhecido como “artigos de leitura”).

A mudança significou mais posts de amigos e familiares e menos dos editores. E para que os editores superassem essa barreira, o conteúdo deles tinha que “encorajar interações significativas entre as pessoas”. Deus proíba as notícias de serem apenas seja notícias – você precisava se animar para lê-las agora.

Os editores, que em muitos casos já haviam visto o uso do Facebook em queda há algum tempo, viram mais do mesmo. O Facebook, que vinha em uma disputa ferrenha com o Google para ver quem enviava mais conteúdo para os editores, sumiu do mapa.

Por 1 lado, ninguém gosta de perder audiência. Mas, por outro lado, esse pode ter sido o ponto em que algumas editoras precisavam para pensar sobre como uma organização de notícias sustentável pós-Facebook poderia se portar.

__

*Joshua Benton é diretor de jornalismo do Nieman Lab.

__

O texto foi traduzido por Ighor Nóbrega (link).

FONTE:

https://www.poder360.com.br/nieman/a-relacao-conturbada-do-facebook-com-a-industria-de-noticias/

Links de Notícias