Judiciário brasileiro é o maior símbolo da corrupção moral do país


Por Miguel do Rosário

Assistam a esse vídeo, de algumas semanas atrás, denunciando as mordomias no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

AQUI: https://www.youtube.com/watch?v=V-Tav02FfQc

Em seguida, leiam essa matéria do Fernando Brito, publicada há pouco no Tijolaço:

Pudor, Doutor? Não tem, acabou. Serve Lula frito?
POR FERNANDO BRITO · 11/11/2017

Era um regabofe, bancado pelo empresariado, nos salões do Graciosa Country Club de Curitiba, para dar uma medalha a Luiz Edson Fachin, do STF, esta figura que não cessa de encolher desde que abiscoitou a toga de ministro do Supremo Tribunal Federal e, sobretudo, depois que a morte de Teori Zavascki deixou-lhe a rica herança de Barão da Lava Jato.

Entre os comensais, toda a linha de comando da operação: Deltan Dallagnol, Sérgio Moro, seu amigo e revisor de suas sentenças, João Pedro Gebran Neto, e o presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz.

Todos devidamente ciceroneados por Beto Richa, o polidenunciado governador tucano do Paraná.

Era, portanto, uma “social” da província, lugar mais que inadequado para se falar de julgamentos de processos que podem abalar a vida de toda a nação, não é?

Qual nada! Gebran e Thompson Flores não se fizeram de rogados e deram entrevista ao repórter Vinicius Boreki, do UOL, meio que a prometer fazerem seus “deveres de casa” e proclamarão a sentença (adivinhe com que teor) de Lula antes que aquela de deveria ser a suprema juíza, a população, possa falar, em 2018.

É, diz Flores, “interesse da nação”, esperançoso que três votos de desembargadores anulem o que poderia ser o voto de dezenas de milhões de cidadãos. O relator Gebran também não se furtou a falar – o que seria absolutamente justificável, dado o ambiente – e acenou com “boas notícias”: “talvez seja possível julgar antes das eleições”.

E todos entregaram-se, então, aos comes e bebes trazidos pelos garçons.

Já tinham provado Lula frito de entrada, porque decoro não faltava no cardápio.

Useful links