Enfrentando restrições na internet, jornalistas recorrem a VPNs


urante o apagão da internet na República Democrática do Congo, parecia que o país inteiro estava isolado do mundo", disse Gabrielle Mitch, uma jornalista freelance baseada em Lubumbashi, Congo, em uma entrevista. “Sem a internet, o jornalismo moderno não significa nada.”

A internet, no entanto, é algo que os jornalistas nos países africanos são forçados a ficar sem, como no Congo durante as eleições presidenciais e no Zimbábue durante os protestos dos preços dos combustíveis.

Os apagões na internet aumentaram consideravelmente em todo o mundo nos últimos anos, de 75 em 2016 para 188 em 2018, de acordo com o grupo de direitos digitais internacionais Access Now.

Kuda Hove do Media Institute of Southern Africa condenou o apagão da internet pelo governo do Zimbábue, alegando que violava o direito à liberdade de expressão e acesso à informação.

"Os ataques à mídia não estão mais restritos a métodos offline, como espancamentos e detenções, mas agora também incluem ameaças online, como o controle de informações na forma de desligamentos da internet", disse Hove. “Os jornalistas devem usar essa oportunidade para divulgar os direitos digitais, como o direito de acessar a internet.”

Após o segundo dia de paralisação da internet no Congo, Mitch foi de escritório a escritório para procurar acesso à internet.

“Enquanto isso, uma estação de rádio da Zâmbia chamada Phoenix, para a qual eu também reportei a respeito das eleições, não conseguiu entrar em contato comigo. Eu estava em perigo. Fui ao escritório de um amigo cujo provedor de internet estava no exterior, mas o governo também cortou a internet dando um ultimato ao provedor”, disse ela.

Muitos jornalistas em Kinshasa compraram cartões SIM do país vizinho Congo Brazzaville para contornar a paralisação da internet no Congo, segundo Mitch. Mas isso é caro e não foi uma solução boa para o problema.

“A gente teve que comprar a internet do Flybox Postpaid de operadoras locais que custam entre US$300 e US$500. Alguns jornalistas sortudos tiveram o luxo de trabalhar em hotéis luxuosos que possuíam o serviço pós-pago Flybox, mas as redes sociais ainda não funcionavam”, disse ela.

"Os jornalistas tiveram que contorná-lo usando VPNs."

Jornalistas do Zimbábue também usaram redes privadas virtuais (VPNs) para contornar o apagão da internet em janeiro.

O que é VPN?
Quando você usa uma VPN, é conectado a um servidor remoto, operado por um serviço VPN. Todos os seus dados de tráfego da internet são transmitidos para o servidor através de um túnel criptografado, o que significa que os provedores de serviços de internet e outros terceiros não podem ver os dados sendo transmitidos. O computador do usuário também tem o endereço IP do servidor VPN, portanto, sua identidade e localização permanecem protegidas.

CONTINUE LENDO AQUI:

https://ijnet.org/pt-br/story/enfrentando-restri%C3%A7%C3%B5es-na-internet-jornalistas-recorrem-vpns

Links de Notícias